Inventário e patrimônio cultural no Brasil Inventory and cultural patrimony in the Brazil

História. 2007;26(2):257-268 DOI 10.1590/S0101-90742007000200013

 

Journal Homepage

Journal Title: História

ISSN: 0101-9074 (Print); 1980-4369 (Online)

Publisher: Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho

LCC Subject Category: History (General) and history of Europe: History (General)

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese, Spanish; Castilian, English

Full-text formats available: PDF, HTML

 

AUTHORS

Antonio Gilberto Ramos Nogueira

EDITORIAL INFORMATION

Peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 8 weeks

 

Abstract | Full Text

A desmaterialização do patrimônio cultural recolocou a necessidade dos inventários como instrumentos de reconhecimento da diversidade cultural e ponto de partida para as políticas públicas de patrimônio. Assim, refazer a trajetória de Mário de Andrade na constituição do Inventário dos Sentidos é buscar as origens da formulação de uma noção de patrimônio e de uma concepção de preservação que coloque o inventário no centro da prática preservacionista (principalmente quando se trata de patrimônio não tangível) legitimando-o como instrumento de preservação em si e não apenas como ferramenta de gestão para bens já tombados. Signo das narrativas modernistas de construção da brasilidade, está em sua gênese, articulada às "viagens de (re)descoberta do Brasil" (1924, 1927 e 19281929) e posteriormente objetivada nas ações do Departamento de Cultura de São Paulo (1935-1938).<br>The dematerialization of cultural patrimony has brought back the necessity of inventories as tools for the recognition of cultural diversity and the starting point for public policies of patrimony. Thus, retracing the trajectory of Mario de Andrade in the constitution of the Inventory of the Senses means searching for the origins of the formulation of a notion of patrimony and of a conception of preservation which puts the inventory in the center of a preservation practice (especially with regards to non-tangible patrimony) legitimizing it as a tool for preservation itself and not only as a managing tool for assets already registered. Signal of the modernist narrative of the construction of a "Brazilianness", it is in its genesis, articulated to the "re-discovery travels to Brazil (1924, 1927, and 1928/1929) and, later on, objectified in the actions of the Culture Bureau of São Paulo (1935-1938).