Avaliação clínica e micológica de onicomicose em pacientes brasileiros com HIV/AIDS

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2011;44(1):40-42 DOI 10.1590/S0037-86822011000100010

 

Journal Homepage

Journal Title: Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

ISSN: 0037-8682 (Print); 1678-9849 (Online)

Publisher: Sociedade Brasileira de Medicina Tropical (SBMT)

LCC Subject Category: Medicine: Internal medicine: Special situations and conditions: Arctic medicine. Tropical medicine

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: English, Spanish; Castilian, Portuguese

Full-text formats available: PDF, HTML, XML

 

AUTHORS

Idalina Inês Fonsêca Nogueira Cambuim (Universidade Federal de Pernambuco)
Danielle Patrícia Cerqueira Macêdo (Universidade Federal de Pernambuco)
Marília Delgado (Hospital Correia Picanço)
Kedma de Magalhães Lima (Universidade Federal de Pernambuco)
Genilda Pereira Mendes (Universidade Federal de Pernambuco)
Cristina Maria de Souza-Motta (Universidade Federal de Pernambuco)
Débora Maria Massa Lima (Universidade Federal de Pernambuco)
Maria José Fernandes (Universidade Federal de Pernambuco)
Oliane Maria Correia Magalhães (Universidade Federal de Pernambuco)
Lusinete Acioli de Queiroz (Universidade Federal de Pernambuco)
Rejane Pereira Neves (Universidade Federal de Pernambuco)

EDITORIAL INFORMATION

Peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 8 weeks

 

Abstract | Full Text

INTRODUÇÃO: Onicomicoses são comuns em pacientes imunocomprometidos embora espécies emergentes tenham sido verificadas, modificado o perfil epidemiológico desta micose. Assim, o objetivo desta pesquisa é avaliar o perfil clínico e micológico da onicomicose em pacientes com infecção pelo HIV/AIDS. MÉTODOS: Amostras clínicas foram coletadas, processados para exame direto e a cultura mantida a temperatura de 30°C e 37ºC durante 15 dias. RESULTADOS: Dos 100 pacientes, 32 apresentavam onicomicose. Os agentes isolados foram Candida albicans, C. parapsilosis, C. tropicalis, C. guilliermondii, Trichophyton rubrum, T. mentagrophytes, Fusarium solani, Scytalidium hialinum, S. japonicum, Aspergillus niger, Cylindrocarpon destructans e Phialophora reptans. CONCLUSÕES: Onicomicoses em HIV/AIDS apresentam variadas manifestações clínicas e podem ser causadas por fungos emergentes. As peculiaridades apresentadas pelos diferentes agentes de origem fúngica justificam a necessidade de identificação ao nível da espécie, com a finalidade de orientar uma melhor abordagem terapêutica e minimizar a exposição desses pacientes a condições de risco de uma infecção disseminada.