Isolamento e perfil enzimático de cães e gatos com dermatofitose atendidos em hospitais veterinários do Recife, Pernambuco

Pesquisa Veterinária Brasileira. 38(5):930-934 DOI 10.1590/1678-5150-pvb-4679

 

Journal Homepage

Journal Title: Pesquisa Veterinária Brasileira

ISSN: 0100-736X (Print); 1678-5150 (Online)

Publisher: Colégio Brasileiro de Patologia Animal (CBPA)

LCC Subject Category: Agriculture: Animal culture: Veterinary medicine

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese, English

Full-text formats available: PDF, HTML, XML

 

AUTHORS

Michelly E.L.M. Torres
Polyanna N. Herculano
Maria L.F. Lima
Paola T. Soares
Ana B.S. Siqueira
Cristina M. Souza-Motta
Ana L.F. Porto
Cynthia O. Nascimento

EDITORIAL INFORMATION

Peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 12 weeks

 

Abstract | Full Text

RESUMO: Os dermatófitos são fungos que podem causar infecções superficiais da pele, cabelo e unhas em humanos e animais. As espécies de dermatófitos mais frequentemente isoladas dos cães e gatos afetados por micoses são Microsporum gypseum e principalmente Microsporum canis. O papel crucial durante o processo de infecção é a produção de enzimas extracelulares essenciais para a invasão e estabelecimento do agente patogênico no tecido do hospedeiro. O objetivo deste trabalho foi isolar dermatófitos de cães e gatos e avaliar o perfil enzimático dos isolados obtidos. Amostras de pelos e escamas epidérmicas foram coletadas de cães e gatos em instalações veterinárias em Recife/PE, e os isolados foram identificados com base nas características macroscópicas e microscópicas. A análise qualitativa das enzimas urease, protease, lipase, colagenase e fosfolipase foi avaliada a partir dos dermatófitos isolados. Durante 10 meses, um total de 106 animais, que compreendeu de 99 cães e sete gatos com sinais clínicos, independentemente do sexo e raça foram avaliados. Apenas oito animais foram confirmados com dermatofitose, principalmente cães (n=7), sendo seis afetados por M. canis e um por M. gypseum, a raça mais afetada foi Yorkshire (n=3). No entanto, apenas um gato foi confirmado com M. canis. Não foi observada predisposição relacionada ao sexo quanto à ocorrência de dermatofitose nos cães e gatos avaliados. Os dermatófitos isolados apresentaram perfis semelhantes para as enzimas urease, lipase, protease, fosfolipase e colagenase, característica importante em infecções patogênicas. O diagnóstico clínico destas zoonoses com base na confirmação microbiológica e uma compreensão dos mecanismos subjacentes é de grande importância para o tratamento e prevenção de doenças fúngicas em animais.