In Autumn 2020, DOAJ will be relaunching with a new website with updated functionality, improved search, and a simplified application form. More information is available on our blog. Our API is also changing.

Hide this message

Jornal Vivo: relato de uma experiência de ensino-aprendizagem na área da saúde

Interface: Comunicação, Saúde, Educação. 2005;9(16):195-204 DOI 10.1590/S1414-32832005000100021

 

Journal Homepage

Journal Title: Interface: Comunicação, Saúde, Educação

ISSN: 1414-3283 (Print); 1807-5762 (Online)

Publisher: Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp)

Society/Institution: Universidade Estadual Paulista (UNESP)

LCC Subject Category: Medicine: Public aspects of medicine

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: English, Spanish, Portuguese

Full-text formats available: PDF, HTML, XML, ePDF

 

AUTHORS


Lídia Ruiz-Moreno (Universidade Federal de São Paulo)

Maria Alicia Romaña (Associação Brasileira de Psicodrama e Sociodrama)

Sylvia Helena Batista (UNIFESP)

Maria Aparecida Martins (Associação Brasileira de Psicodrama e Sociodrama)

EDITORIAL INFORMATION

Double blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 41 weeks

 

Abstract | Full Text

Relata-se uma experiência psicodramática- o Jornal Vivo - e discute-se suas contribuições como estratégia de ensino-aprendizagem na saúde, tendo como marco teórico o Psicodrama, proposto por J. L. Moreno e reinterpretações para o campo educacional empreendidas por Maria Alicia Romaña. O cenário compreendeu uma Oficina de Trabalho, cujos participantes eram profissionais da saúde e da educação. A dinâmica envolveu: a escolha da notícia, dramatização, inserção dos participantes na cena e intensificação da participação grupal, com platéia e cenário construindo novas versões da notícia. A discussão sobre a experiência enfatizou os níveis de análise da questão abordada: individual, grupal e social; as dimensões interdisciplinares que compõem os espaços de formação; as possibilidades da estratégia, ao trabalhar componentes cognitivos, emocionais e atitudinais, e favorecer uma melhor compreensão da situação de ensino-aprendizagem.