Escore Prognóstico para Síndrome Coronariana Aguda em Hospital Terciário Privado

Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2014;102(3):226-236 DOI 10.5935/abc.20140012

 

Journal Homepage

Journal Title: Arquivos Brasileiros de Cardiologia

ISSN: 0066-782X (Print); 1678-4170 (Online)

Publisher: Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC)

Society/Institution: Sociedade Brasileira de Cardiologia

LCC Subject Category: Medicine: Internal medicine: Specialties of internal medicine: Diseases of the circulatory (Cardiovascular) system

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese, English

Full-text formats available: PDF, HTML, XML

 

AUTHORS


Edson Renato Romano

Ieda Maria Liguori

Jorge Alcantara Farran

Rosa Maria Pimentel do Egito

Marcelo Luz Pereira Romano

Vinícius Avellar Werneck

Marco Antonio Oliveira Barbosa

Enilton Sergio Tabosa do Egito

Alexandre Biasi Cavalcanti

Leopoldo Soares Piegas

EDITORIAL INFORMATION

Peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 10 weeks

 

Abstract | Full Text

Fundamento: Os modelos prognósticos disponíveis para Síndrome Coronariana Aguda (SCA) podem ter limitações de performance, por terem sido elaborados há vários anos, ou problemas de aplicabilidade. Objetivos: Elaborar escores para predição de eventos desfavoráveis em 30 dias e 6 meses, em pacientes com SCA, com ou sem Supradesnivelamento de ST (SST), atendida em hospital privado terciário. Métodos: Coorte prospectiva de pacientes consecutivos com SCA admitidos entre agosto/2009 a junho/2012. O desfecho primário composto foi a ocorrência de óbito, infarto ou reinfarto, Acidente Vascular Cerebral (AVC), parada cardiorrespiratória e sangramento maior. As variáveis preditoras foram selecionadas de dados clínicos, laboratoriais, eletrocardiográficos e da terapêutica. O modelo final foi obtido por meio de regressão logística e submetido a validação interna, utilizando-se bootstraping. Resultados: Incluímos 760 pacientes, 132 com SCA com SST e 628 sem SST. A idade média foi 63,2 ± 11,7 anos, sendo 583 homens (76,7%). O modelo final para eventos em 30 dias contém cinco preditores: idade ≥ 70 anos, antecedente de neoplasia, Fração de Ejeção do Ventrículo Esquerdo (FEVE) < 40%, troponinaI > 12,4 ng/mL e trombólise. Na validação interna, o modelo mostrou ter boa performance com área sob a curva de 0,71.Os preditores do modelo para 6 meses são: antecedente de neoplasia, FEVE < 40%, trombólise, troponina I > 14,3 ng/mL, creatinina > 1,2 mg/dL, antecedente de doença pulmonar obstrutiva crônica e hemoglobina < 13,5 g/dL. Na validação interna, o modelo apresentou boa performance com área sob a curva de 0,69. Conclusões: Desenvolvemos escores de fácil utilização e boa performance para predição de eventos adversos em 30 dias e 6 meses em pacientes com SCA.