Revista Árvore (2013-04-01)

Does the edge effect influence plant community structure in a tropical dry forest? O efeito de borda influencia a estrutura da comunidade vegetal em uma floresta tropical seca?

  • Diogo Gallo Oliveira,
  • Ana Paula do Nascimento Prata,
  • Leandro Sousa Souto,
  • Robério Anastácio Ferreira

Journal volume & issue
Vol. 37, no. 2
pp. 311 – 320

Abstract

Read online

Edge effects are considered a key factor in regulating the structure of plant communities in different ecosystems. However, regardless to few studies, edge influence does not seem to be decisive in semiarid regions such as the Brazilian tropical dry forest known as Caatinga but this issue remains inconclusive. The present study tests the null hypothesis that the plant community of shrubs and trees does not change in its structure due to edge effects. Twenty-four plots (20 x 20 m) were set up in a fragment of Caatinga, in which 12 plots were in the forest edges and 12 plots were inside the fragment. Tree richness, abundance and species composition did not differ between edge and interior plots. The results of this study are in agreement with the pattern previously found for semiarid environments and contrasts with previous results obtained in different environments such as Rainforests, Savanna and Forest of Araucaria, which indicate abrupt differences between the border and interior of the plant communities in these ecosystems, and suggest that the community of woody plants of the Caatinga is not ecologically affected by the presence of edges.Efeitos de borda são considerados fator-chave na regulação da estrutura de comunidades vegetais em diferentes ecossistemas. Entretanto, apesar dos poucos estudos relacionados, o efeito de borda parece não ser determinante em regiões semiáridas, como a floresta tropical seca brasileira, conhecida como Caatinga. Este estudo testou a hipótese nula de que a comunidade vegetal arbustivo-arbórea não sofre alterações em sua estrutura, riqueza e composição devido ao efeito de borda. Foram instaladas 24 parcelas (20 x 20 m) em um fragmento de Caatinga arbórea, sendo 12 parcelas na borda do fragmento e 12 parcelas no seu interior. A riqueza, abundância e composição das espécies não diferiram estatisticamente entre as parcelas de borda e interior. Os resultados deste estudo corroboram um possível padrão de ambientes semiáridos e contrastam com resultados anteriores de diferentes ambientes, como florestas tropicais úmidas, cerrado e floresta de araucária. Indicam diferenças abruptas entre comunidades vegetais da borda e do interior de fragmentos florestais, sugerindo que a comunidade arbustivo-arbórea da Caatinga não é ecologicamente afetada pela presença de bordas.

Keywords