Conceituação e aplicação mítica na Literatura rosiana

Scripta. 2005;9(17):281-286

 

Journal Homepage

Journal Title: Scripta

ISSN: 1516-4039 (Print); 2358-3428 (Online)

Publisher:  Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Society/Institution:  Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

LCC Subject Category: Language and Literature: Philology. Linguistics | Language and Literature: Literature (General)

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS

Olga de Sá (PUC-SP)

EDITORIAL INFORMATION

Double blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 12 weeks

 

Abstract | Full Text

<p>Na sociedade primitiva, é o mito que marca o início e a origem das coisas. É por meio dele que o homem toma consciência de sua condi­ção humana, do estar-no mundo  e ser-para-a  morte. A partir dele, nomeia e dá vida ao que o cerca. Pelos tempos afora, o mito transcen­ deu se u sentido preferencial pela oralidade, a audição- hoje, nos atingi ndo por todos os demais. A mídia moderna oferece-nos, cons­ tanteme nte, releituras de histórias atemporais. Rosa, pela palavra es­ crita renovada, recria o mito  com  todas as suas funções  originais. Com isso interfere no mito original de tal modo que, mais que influ­ enciado por ele, o novo conto  qu ebra as cadeias do tempo e influen­ cia o própri o mito. O "diabólico" em sua dimensão mítica atravessa a ficção de Guimarães Rosa.</p>