In Autumn 2020, DOAJ will be relaunching with a new website with updated functionality, improved search, and a simplified application form. More information is available on our blog. Our API is also changing.

Hide this message

Fenomenografia e Valoração do Conhecimento nas Organizações: Diálogo entre Método e Fenômeno

RAC: Revista de Administração Contemporânea. 2016;20(5):630-650 DOI 10.1590/1982-7849rac2016150292

 

Journal Homepage

Journal Title: RAC: Revista de Administração Contemporânea

ISSN: 1415-6555 (Print); 1982-7849 (Online)

Publisher: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ANPAD)

Society/Institution: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ANPAD)

LCC Subject Category: Social Sciences: Industries. Land use. Labor: Management. Industrial management | Social Sciences: Commerce: Business: Accounting. Bookkeeping

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Spanish, English, Portuguese

Full-text formats available: PDF, HTML, XML

 

AUTHORS


Andréa Cherman (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro)

Sandra Regina Rocha-Pinto (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro)

EDITORIAL INFORMATION

Double blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 20 weeks

 

Abstract | Full Text

A fenomenografia é um método de pesquisa qualitativa ainda pouco utilizado em estudos organizacionais. Visa a capturar as diversas concepções dos indivíduos acerca de um fenômeno, isto é, modos qualitativamente diferentes de experimentá-lo e concebê-lo (Marton, 1981; Marton & Booth, 1997; Sandberg, 2000). O presente artigo conceitual objetivou revelar a experiência de pesquisa com o uso deste método, explicitando achados fortuitos emergentes não relatados na literatura com base em um estudo empírico realizado com profissionais de RH acerca da valoração do conhecimento no contexto do trabalho. O estudo revelou cinco concepções, que foram arranjadas de forma lógica, hierárquica, inclusiva e interdependente, conforme preconiza o método. Procedeu-se a um grupo de foco (Goldman & McDonald, 1987) com participantes prototípicos, representativos de categorias distintas, para validar as categorias descritivas e aprofundar os achados fortuitos relativos ao método. O grupo de foco desvelou (a) a capacidade da fenomenografia em capturar o movimento bidirecional dos sujeitos pelas concepções ao experimentar o fenômeno; (b) o continuum ininterrupto entre as concepções; e (c) a trajetória dinâmica e flexível dos indivíduos pelas concepções no tempo e espaço, utilizando-as como modos de ação para guiar seus comportamentos diante dos diversos contextos.