In Autumn 2020, DOAJ will be relaunching with a new website with updated functionality, improved search, and a simplified application form. More information is available on our blog. Our API is also changing.

Hide this message

EFICIÊNCIA DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE NAS MICRORREGIÕES DO ESTADO DE SANTA CATARINA DE 2010 A 2012

Revista Gestão & Saúde. 2015;6(1):201-217

 

Journal Homepage

Journal Title: Revista Gestão & Saúde

ISSN: 1982-4785 (Online)

Publisher: Universidade de Brasília

LCC Subject Category: Medicine: Medicine (General)

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS


Sergio Begnini (Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE)

Lirane Elise Defante Ferreto de Almeida (Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE.)

Andreia Casagrande (Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ.)

EDITORIAL INFORMATION

Blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 9 weeks

 

Abstract | Full Text

Um sistema de saúde deve atender e possibilitar proteção à saúde da população. No caso do Brasil é o Estado, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), que deve garantir aos brasileiros, acesso à saúde de qualidade. Essa pesquisa tem como objetivo identificar a eficiência dos serviços de saúde prestados pelo SUS, segundo as microrregiões do Estado de Santa Catarina nos anos 2010, 2011 e 2012. Para realização dos cálculos foi utilizado o modelo Retorno Constante de Escala com orientação para o produto (output), por meio do software DEA-SEAD. Sendo que a DEA trabalho com recorte comparando a eficiência das DMUs em determinados períodos, percebe-se que a microrregião de Xanxerê foi a que se destacou positivamente, uma vez que em 2010 era considerada ineficiente, e em 2012 foi considerada a mais eficiente. Já as microrregiões de Tijucas e Florianópolis se destacaram negativamente, uma vez que sua eficiência reduziu. Diante destes resultados entende-se que existe potencial de aumento na qualidade dos serviços prestado no setor de saúde à população do estado de Santa Catarina. Também parece haver significativas diferenças nos níveis de eficiência entre as microrregiões.