Influence of dentin surface pre-treatment on microtensile bond strength of a single-bottle adhesive = Influência do pré-tratamento superficial da dentina na resistência de união à microtração de um sistema adesivo de frasco único

Revista Odonto Ciência. 2008;23(4):325-329

 

Journal Homepage

Journal Title: Revista Odonto Ciência

ISSN: 0102-9460 (Print); 1980-6523 (Online)

Publisher: Editora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (EDIPUCRS)

Society/Institution: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

LCC Subject Category: Medicine: Dentistry

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: English

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS


Burnett Junior, Luiz Henrique

Silveira, Bruno Lopes da

Masotti, Alexandre Severo

Mota, Eduardo Gonçalves

Shinkai, Rosemary Sadami Arai

EDITORIAL INFORMATION

Double blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 10 weeks

 

Abstract | Full Text

Objetivo: Este estudo avaliou a influência de diferentes métodos de pré-tratamento da superfície dentinária sobre a resistência de união à microtração e modo de falha de um sistema adesivo de frasco único. Metodologia: Vinte e quarto terceiros molares foram incluídos em resina acrílica e desgastados até exposição da dentina oclusal. Seis grupos foram testados de acordo com o pré-tratamento da dentina: G1) ácido fosfórico a 35% (pa) (controle positivo); G2) pasta de pedrapomes + pa; G3) jateamento com óxido de alumínio 25µm + pa; G3) jateamento com óxido de alumínio 50µm + pa; G5) jateamento com carbonato de sódio + pa; G6) sem tratamento (controle negativo). O sistema adesivo Single Bond (3M-ESPE) foi aplicado na superfície dentinária e fotoativado antes da simulação de uma restauração de resina de 6mm de altura (Z250, 3M-ESPE). Após armazenamento em água destilada a 37ºC por 24h, todos os espécimes (área transversal de 1mm2) foram submetidos ao teste de microtração à velocidade de 0,5mm/min. Resultados: Os valores médios de resistência de união (MPa) foram: G1=29,28; G2=21,04; G3=21,66; G4=18,94; G5=19,90; e G6=19,03. Somente o G1 foi estatisticamente diferente dos demais grupos (ANOVA e teste de Tukey, a=0,05). A observação em MEV da interface adesiva após ruptura mostrou prevalência de falha do tipo mista (fratura adesiva entre dentina e agente adesivo associada à fratura coesiva parcial na restauração de resina ou dentina) para todos os grupos, exceto G6. Conclusão: O uso de agentes de limpeza na superfície dentinária pode não ser necessário para procedimentos adesivos com condicionamento ácido total da dentina