Arqueologia e a guerrilha do Araguaia ou a materialidade contra a não narrativa

Revista Arqueologia Pública. 2015;8(2[10]):213-230 DOI 10.20396/rap.v8i2.8635658

 

Journal Homepage

Journal Title: Revista Arqueologia Pública

ISSN: 2237-8294 (Online)

Publisher: Universidade Estadual de Campinas

Society/Institution: Universidade Estadual de Campinas

LCC Subject Category: Auxiliary sciences of history: Archaeology

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS

Rafael de Abreu e Souza (Universidade Estadual de Campinas)

EDITORIAL INFORMATION

Double blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 8 weeks

 

Abstract | Full Text

Neste artigo, utilizo o exemplo das buscas pelos desaparecidos na Guerrilha do Araguaia para levantar questões, mais do que fechá-las, sobre a potencialidade da arqueologia em contextos associados à repressão orquestrada pela ditadura militar brasileira. Parto do pressuposto de que a arqueologia, reivindicando a si o estudo da materialidade, opõese diametralmente à não narrativa perpetrada pelo ostensivo silêncio oficial sobre os eventos ocorridos. Enquanto ferramenta política, dialógica a construção de memórias materiais, a Arqueologia da Repressão e da Resistência é uma autoarqueologia, plural, do crível e do vivível.