Revista de Odontologia da UNESP (2018-02-01)

Desenvolvimento de lesões de cárie em dentina em um modelo de biofilme simplificado in vitro: um estudo piloto

  • Thais Piccolo CARVALHO,
  • Tamires Timm MASKE,
  • Cácia SIGNORI,
  • Katielle Valente BRAUNER,
  • Elenara Ferreira de OLIVEIRA,
  • Maximiliano Sérgio CENCI

DOI
https://doi.org/10.1590/1807-2577.06017
Journal volume & issue
Vol. 47, no. 1
pp. 40 – 44

Abstract

Read online

Resumo Introdução Modelos laboratoriais de biofilmes vêm sendo desenvolvidos com a finalidade de simular o ambiente bucal e o processo de formação da cárie dental. Objetivo Estabelecer e padronizar um modelo de biofilme in vitro para o desenvolvimento de lesões de cárie em dentina. Material e método Doze discos padronizados de dentina bovina foram divididos em três tempos experimentais: 4, 7 e 10 dias. As amostras de cada tempo experimental foram inoculadas com Streptococcus mutans UA 159 em meio de cultura BHI com 1% de sacarose e cultivadas em anaerobiose. As variáveis de resposta foram a perda de dureza integrada (ΔS) dos discos de dentina e dureza do substrato em diferentes profundidades. Os dados de ΔS foram analisados através de ANOVA seguido do teste Tukey, ambos com significância de 5%, e os dados de dureza de profundidade de lesão analisados descritivamente. Resultado Houve maior perda mineral aos 10 dias de crescimento microbiológico quando comparados aos 4 dias (p = 0,034), no entanto não houve diferença entre 7 e 10 dias (p = 0,853). O grupo de 4 dias mostrou perda de dureza em regiões mais superficiais (10-40µm); e o grupo de 10 dias mostrou desmineralização em áreas mais profundas, até 150 µm. Conclusão O modelo proposto mostrou-se capaz de desenvolver lesões de cárie artificiais em dentina. Em 7 dias, as lesões subsuperficiais de dentina foram adequadas para estudos de des-remineralização.

Keywords