A PRÁXIS MÉDICA NO PRONTO ATENDIMENTO DIANTE DO PACIENTE COM SEQUELAS CRÔNICAS: CULPA, TEMOR E COMPAIXÃO

Trabalho, Educação e Saúde. 2018;16(3):1177-1199 DOI 10.1590/1981-7746-sol00151

 

Journal Homepage

Journal Title: Trabalho, Educação e Saúde

ISSN: 1678-1007 (Print); 1981-7746 (Online)

Publisher: Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio

LCC Subject Category: Education: Education (General) | Medicine: Medicine (General)

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese, Spanish

Full-text formats available: PDF, XML

 

AUTHORS


Janaína de Souza Aredes

Karla Cristina Giacomin

Josélia Oliveira Araújo Firmo

EDITORIAL INFORMATION

Double blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 16 weeks

 

Abstract | Full Text

Resumo Qual é a relação entre as urgências e o cuidado crônico? Esta questão, aparentemente paradoxal, foi abordada em uma etnografia realizada no maior hospital de pronto socorro de uma metrópole brasileira, a qual investigou o cuidado médico desde a admissão até a ratificação da condição clínico-funcional do paciente sequelado grave. Entre dezembro de 2012 e agosto de 2013 foram realizadas observação participante e entrevistas com 43 médicos: 25 homens e 18 mulheres, de 28 a 69 anos. A análise, guiada pelo modelo dos signos, significados e ações, levou à constatação de que o cuidado varia segundo o contexto: na ‘porta de entrada’ e no ‘centro de terapia intensiva’ luta-se intensamente pela manutenção da vida; no setor ‘crônicos’, cuida-se de pessoas que sobrevivem, mas com alto grau de dependência. Para o médico, ‘vida’ significa a recuperação da funcionalidade prévia, enquanto a sobrevida com dependência seria uma ‘morte em vida’. O médico se esquiva de lidar com um ser humano altamente limitado, pois sente-se de algum modo culpado pelo quadro, embora se compadeça diante do paciente que demanda cuidados crônicos. A insuficiência de uma rede de cuidados continuados e a falta de formação paliativista do médico geram sofrimentos a quem cuida e a quem é cuidado.