O despotismo democrático e a redução do homem em Tocqueville

Em Tese. 2007;4(1):119-140 DOI 10.5007/13475

 

Journal Homepage

Journal Title: Em Tese

ISSN: 1806-5023 (Online)

Publisher: Universidade Federal de Santa Catarina

Society/Institution: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

LCC Subject Category: Political science: Political science (General) | Social Sciences: Social sciences (General)

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Spanish; Castilian, Portuguese, English

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS

Valdenésio Aduci Mendes (UFSC)

EDITORIAL INFORMATION

Peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 28 weeks

 

Abstract | Full Text

Em A democracia na América, Tocqueville descreve tanto uma reflexão filosófica sobre o fundamento da democracia moderna, assim como o sistema democrático americano, chegando a uma conclusão que instiga, ainda hoje, o pensamento político: a igualdade de condições, princípio regulador da democracia americana redundou em apatia política. Segundo Tocqueville, no bojo dessa retração do homem do cenário da vida pública surge um novo Leviatã social - o Estado centralizador e burocrático dos tempos modernos - a partir do qual define o despotismo democrático. A finalidade do presente estudo é num primeiro momento acompanhar a descrição tocquevilliana da democracia americana e por extensão a descrição que Tocqueville faz sobre as causas que podem conduzir à apatia política. Num segundo momento visa descrever os possíveis antídotos previstos por Tocqueville para que o homem retome sua autonomia política, perguntando-nos ao mesmo tempo se as reflexões do autor, todavia nos podem ajudar a pensar o presente. Conclui-se que Tocqueville é um clássico do pensamento político e enquanto tal continua a ser referencia para pensarmos importantes questões políticas da atualidade, dentre elas o aprofundamento da democracia.