In Autumn 2020, DOAJ will be relaunching with a new website with updated functionality, improved search, and a simplified application form. More information is available on our blog. Our API is also changing.

Hide this message

COMBINAÇÃO PECULIAR: ESTABILIDADE ECONÔMICA, VIOLÊNCIA POLÍTICA E CRIME ORGANIZADO NA COLÔMBIA

Cadernos Prolam/USP. 2011;10(19) DOI 10.11606/issn.1676-6288.prolam.2011.83058

 

Journal Homepage

Journal Title: Cadernos Prolam/USP

ISSN: 1676-6288 (Online)

Publisher: Universidade de São Paulo

Society/Institution: Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina

LCC Subject Category: General Works: History of scholarship and learning. The humanities | Social Sciences: Social sciences (General)

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese, Spanish, English, French

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS


Natália Pollachi (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.)

Tatiane Fernandes Tavares (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.)

Carlos Eduardo Carvalho (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.)

EDITORIAL INFORMATION

Peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 24 weeks

 

Abstract | Full Text

A Colômbia apresenta há décadas uma combinação peculiar de estabilidade econômica, atuação prolongada e intensa do crime organizado transnacional e conflito armado interno, inclusive com perda do controle de parcelas do território e da população, elementos típicos de Estados falidos ou fragilizados. Na Colômbia, porém, o Estado mostra elevada capacidade de atuação, apoiado na estabilidade econômica e na capacidade de mobilização e utilização de recursos fiscais. O artigo destaca três componentes desse quadro: as origens da violência política; os efeitos da “economia da droga”; e a sustentação fiscal da política de “segurança democrática” do governo Uribe. A analise procura contribuir para o entendimento das singularidades do processo colombiano, em especial a preservação das capacidades do Estado.