A Colônia do Pinhal (1850-57): os imigrantes = The Pinhal’s Colony (1850-57): immigrants

Oficina do Historiador. 2014;7(Supl):1870-1883

 

Journal Homepage

Journal Title: Oficina do Historiador

ISSN: 2178-3748 (Online)

Publisher: Editora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (EDIPUCRS)

Society/Institution: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

LCC Subject Category: History America: Latin America. Spanish America

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS

Avello, Adriano Sequeira

EDITORIAL INFORMATION

Double blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 10 weeks

 

Abstract | Full Text

Durante o século XIX, o Império do Brasil adotou políticas de imigração e colonização que consistiam no processo de viabilizar a saída de imigrantes europeus, não-lusos, para se estabelecer em terras devolutas do Estado, as quais foram organizadas em núcleos de povoamento, denominados colônias. Nessa constante, desenvolveu-se a imigração alemã no território da província do Rio Grande do Sul e, consequentemente, a colônia do Pinhal em 1857, no atual município de Itaara-RS. Esta colônia privada organizou-se de forma socialmente autônoma frente aos subsídios do Estado imperial. Para tanto em bibliografia investigada sobre Pinhal sobressaíram os nomes dos imigrantes: Miguel Kroeff, Jacob Albrecht e Jacob Adamy; então coube o enfoque histórico do estudo na investigação sobre tais imigrantes alemães para averiguar os interesses em constituir a fundação da colônia do Pinhal