As estratégias de construção narrativa do Realismo Maravilhoso a serviço a fabricação das identidades moçambicanas: apropriações e trânsitos culturais

Revista e-scrita : Revista do Curso de Letras da UNIABEU. 2010;1(3):148-159

 

Journal Homepage

Journal Title: Revista e-scrita : Revista do Curso de Letras da UNIABEU

ISSN: 2177-6288 (Print)

Publisher: UNIABEU

Society/Institution: UNIABEU

LCC Subject Category: Language and Literature: Philology. Linguistics: Language. Linguistic theory. Comparative grammar

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese, Spanish; Castilian, Italian, English

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS

Flavio Garcia

EDITORIAL INFORMATION

Peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 53 weeks

 

Abstract | Full Text

A literatura realista maravilhosa não se pode restringir à América Hispânica, senão que se tratar de um processo de construção narrativa. Verificando proximidades entre as histórias da América Espanhola, é fácil sugerir que autores africanos apropriem-se de estratégias narrativas realista-maravilhosas. Essa opção pode ser vista como vertente de literatura contra-hegemônica, contra-metropolitana, mesmo veiculada na língua do colonizador, pois língua de unidade nacional e expressão internacional. Corresponderia à expressão dos mirabilia autóctones, da América Hispânica ou da África Lusófona, amalgamando os sistemas literários real-naturalista e maravilhoso. É o que faz Mia Couto, especialmente, em sua narrativas de curta ou média extensão, a servição da fabricação das identidades moçambicanas.