O antropófago Oswald de Andrade e a preservação do patrimônio: um "devorador" de mitos?

Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. 2018;26(0) DOI 10.1590/1982-02672018v26e32

 

Journal Homepage

Journal Title: Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material

ISSN: 0101-4714 (Print); 1982-0267 (Online)

Publisher: Universidade de São Paulo, Museu Paulista

Society/Institution: Universidade de São Paulo (USP)

LCC Subject Category: History America: Latin America. Spanish America

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: English, French, Italian, Spanish; Castilian, Portuguese

Full-text formats available: PDF, HTML, XML

 

AUTHORS

RENATA CAMPELLO CABRAL
PAOLA BERENSTEIN JACQUES

EDITORIAL INFORMATION

Peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 18 weeks

 

Abstract | Full Text

RESUMO Um documento inédito de 1930, atribuído pelas autoras do presente artigo a Oswald de Andrade, no qual ele sugere as “Bases para a Criação e Organização do Departamento de Defesa e Conservação do Patrimônio Artístico do Brasil”, é o ponto de partida para se discutir a sombra historiográfica que encobre o escritor como um dos agentes da constituição, no campo das ideias, de uma cultura preservacionista no país, particularmente no âmbito dos antecedentes do desenho de constituição do futuro Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, que tem hoje na figura de Mário de Andrade o centro de seu mito fundador. Propõe-se problematizar essa questão a partir de aspectos da biografia de Oswald de Andrade, suas ideias, posições políticas, seu lugar social, suas amizades e inimizades. Anima o debate a pergunta: haveria uma dificuldade em se admitir a provocadora presença de um “conservador antropófago” na história de constituição do principal órgão de preservação federal no Brasil?