ESCOLA COMO UMA BASE PARA O POVO TOMAR O PODER? Diálogo entre Samora Machel e Paulo freire

movimento-revista de educação. 2017;0(7):209-227 DOI 10.22409/mov.v0i7.428

 

Journal Homepage

Journal Title: movimento-revista de educação

ISSN: 1518-0344 (Print); 2359-3296 (Online)

Publisher: Universidade Federal Fluminense (UFF)

Society/Institution: Pós-Graduação em Educação e da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense-UFF

LCC Subject Category: Education: Theory and practice of education

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Spanish, English, Portuguese

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS


Adelino Inácio Assane (Universidade Pedagógica (UP) – Delegação de Nampula, Moçambique)

Arlindo Cornélio Ntunduatha Juliasse (Universidade Pedagógica (UP) – Delegação de Nampula, Moçambique)

EDITORIAL INFORMATION

Double blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 8 weeks

 

Abstract | Full Text

Depois da Independência Nacional em 1975, uma das palavras de ordem de Samora Machel, primeiro Presidente da então República Popular de Moçambique, foi “fazer da escola uma base para o povo tomar o poder”. O presente artigo pretende ampliar a discussão dessa visão macheliana, dialogando com Paulo Freire (patrono da educação brasileira), pois, nas políticas públicas de educação moçambicana, notam-se vestígios de ideias freireanas que foram adotadas logo após a conquista da Independência Nacional. Encontramos em Machel e em Freire algumas aproximações e similitudes fundadas no comprometimento com o pensamento crítico da educação. Palavras-chave: Alfabetização; Escola; Colonização; Libertação.