A escravidão em uma perspectiva comparativa: Caçapava do Sul (RS, Brasil) e Brazoria (Texas) – primeira metade do século XIX

História: Debates e Tendências. 2018;18(2):247-258 DOI 10.5335/hdtv.18n.2.8074

 

Journal Homepage

Journal Title: História: Debates e Tendências

ISSN: 2238-8885 (Online)

Publisher: Universidade de Passo Fundo (UPF)

LCC Subject Category: History (General) and history of Europe: History (General)

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: French, Portuguese, English, Spanish; Castilian, Italian

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS

Marcelo Santos Matheus (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
André do Nascimento Corrêa (Universidade do Vale do Rio dos Sinos)

EDITORIAL INFORMATION

Blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 10 weeks

 

Abstract | Full Text

Na década de 1940, com a publicação de Slave and Citizen (1947), de F. Tannenbaum, inaugurou-se um novo ramo historiográfico: a comparação entre os sistemas escravistas montados nas Américas. É neste contexto historiográfico que o presente estudo se insere. Nele, comparamos as características das escravarias de duas localidades, Caçapava do Sul, na província do Rio Grande do Sul (Brasil), e Brazoria, na então República do Texas. Para tanto, as fontes utilizadas foram uma lista de fogos (de 1830, para Caçapava do Sul) e um levantamento de propriedades e bens (de 1840, para Brazoria). De antemão, é possível afirmar que, apesar de o número de fogos e a quantidade de escravos em Caçapava do Sul e Brazoria serem parecidos, na primeira, a posse escrava estava amplamente disseminada pelo tecido social, ao contrário de Brazoria, onde apenas cerca de 1/3 dos fogos eram de escravistas. Da mesma forma, em Caçapava do Sul predominavam as pequenas e médias escravarias, que concentravam boa parte dos cativos, diferentemente de Brazoria, onde os grandes plantéis concentravam a absoluta maioria dos cativos.