Arqueologia, patrimônio e sociedade: quem define a agenda?

Esboços. 2011;18(26):55-72 DOI 10.5007/2175-7976.2011v18n26p55

 

Journal Homepage

Journal Title: Esboços

ISSN: 1414-722X (Print); 2175-7976 (Online)

Publisher: Universidade Federal de Santa Catarina

Society/Institution: Universidade Federal de Santa Catarina

LCC Subject Category: History (General) and history of Europe: History (General) | History America: Latin America. Spanish America

Country of publisher: Brazil

Language of fulltext: Portuguese, Spanish; Castilian, French, English

Full-text formats available: PDF

 

AUTHORS

Lucas de Melo Reis Bueno (Universidade Federal de Santa Catarina)

EDITORIAL INFORMATION

Double blind peer review

Editorial Board

Instructions for authors

Time From Submission to Publication: 25 weeks

 

Abstract | Full Text

O objetivo deste texto é contribuir para uma discussão que tem crescido e ocupado um espaço cada vez mais importante no âmbito da Arqueologia Brasileira nos últimos anos: o papel da arqueologia e dos arqueólogos na formulação de políticas de gestão do patrimônio. Para discutir essa questão apresentaremos uma história da arqueologia no Brasil, destacando alguns momentos crucias desta trajetória, marcados por formulações jurídicas a respeito da conceituação de Patrimônio e sua influência na prática arqueológica. Como veremos, apesar de haver uma ligação estreita entre o ingresso da arqueologia na academia e modificações na formulação de leis sobre patrimônio, os arqueólogos se esquivaram por muito tempo de tomar à frente nessa discussão.